quarta-feira, 30 de julho de 2008

Justiça :: Mulher que caiu em buraco com bicicleta será indenizada pelo Estado de MG

Uma moradora do município de Alfenas que se acidentou em decorrência de uma queda de bicicleta provocada por um buraco em via pública será indenizada em R$ 28,5 mil por danos morais. A decisão foi proferida nesta quarta-feira (30/7) pelo juiz Paulo Barone Rosa, da 7ª Câmara Cível do TJ-MG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais).

Segundo informações do tribunal, a munícipe S.A.T. alega que andava de bicicleta por uma rua da cidade de Alfenas quando, ao desviar de uma criança que passava, caiu em buraco, que não possuía nenhum tipo de sinalização, nem tampa de proteção. Com a queda ela fraturou os dois pés e, ainda, sofreu traumatismo craniano.

Ao confirmar a sentença do juiz Paulo Barone Rosa, o relator do recurso, desembargador Wander Marotta, considerou ser evidente a responsabilidade do Município. Para o relator, “cabe ao Poder Público fiscalizar as vias públicas, sendo de sua responsabilidade, dentre outras, zelar pela sua conservação, no sentido de que os buracos não permaneçam abertos e sinalizar os locais que contém defeitos na pista.”

Votaram de acordo com o relator os desembargadores Belizário de Lacerda e Heloísa Combat.

Fonte::Última Instância

CicloAtivando Planalto Paulista 3 :: Os problemas aumentam nas calçadas





Como já foi abordado em post anterior , o problema do péssimo estado de conservação das calçadas na Av. Irerê, tanto atrás da empresa D.F.Vasconcellos como atrás da escola Alberto Levy, continuam.

Não só continuam, como ficaram piores. Recentemente o acúmulo de entulho e rejeitos de construção atrás da D.F. Vasconcellos aumentou. Não sei dizer se são da própria empresa ou não, eu sei que eles continuam lá, se espalharam por outros pontos da calçada e mesmo com os protocolos abertos junto ao SAC da Prefeitura solicitando uma resolução para o problema, há quase um mês, nenhuma providência foi tomada.





Como mostrado nas fotos acima, agora além do entulho enconstado no muro agora ele está sendo depositado junto ao meio-fio também. Isso somado ao já, decadente estado da calçada torna a passagem instransitável para cadeirantes, idosos e até ao pedestre comum que a qualquer descuido pode se arrebentar feio por ali.

A novidade, que não é uma providência positiva da Prefeitura ou da própria empresa, uma vez que a responsabilidade pela manutenção e conservação da calçada legalmente é dela, é que agora o entulho está sendo jogado também na mesma calçada só que em direção a Al. dos Gauinumbis, conforme comprovam as fotos abaixo.





E para finalizar, como se não bastassem os problema já abordados, os passantes ainda são obrigados a conviver com os preservativos usados, isso mesmo, camisinhas usadas que são lançadas aos montes nas calçadas do Planalto Paulista, no mais puro ato de falta de respeito e de educação com as pessoas, tudo isso fruto da prostituição e tráfico de drogas que acontecem à luz do dia e também durante toda a noite e são completamente IGNORADOS pelos órgãos governamentais e pelas autoridades policiais.

As fotos a seguir são uma pequena amostra do que é possível se encontrar pelas calçadas da região.





Mais uma vez abri um protocolo denunciando as condições da calçada e o acúmulo de entulho na mesma, através do SAC da Prefeitura.

Data: 31/07
Protocolo: 7801364












CicloAtivando Planalto Paulista 2 :: Chuta que é Macumba!


Eu sou um cara totalmente desprovido de preconceitos, religiosos, raciais, sociais ou seja lá qual forem todos os outros tipos que existirem, mas não tem como não me incomodar com certas coisas que vejo por aí.

Na esquina da Av. Irerê com a Al. dos Uapés, uma bela de uma macumba, saravá ou qualquer que seja o nome técnico e científico dessa bagaça está lá atrapalhando a passagem de pedestres e cadeirantes há mais de DUAS SEMANAS. Hoje não me aguentei e tive que fotografar e escrever esse post místico.

Não era o Correio que estava em greve? Pois pelo visto o pessoal da limpeza também deve estar, ou então devem ser ferrenhos evangélicos ou cristãos fervorosos pois nesse tempo todo ninguém teve coragem de recolher o tal do saravá. Mas é claro que no Natal, todos aparecem enchendo o saco com sua listinha de contribuições natalinas.

Olhando atentamente a foto, podemos concluir que ou alguém levou o título desse post ao pé da letra e literalmente meteu o pé no ebó, ou então a galinha já deve ter se decomposto, de tanto tempo que isso se encontra ali naquela esquina, ou indo mais além e pensando na alta dos alimentos, alguém assou o galeto e ainda por cima ignorou a lei seca.

É uma puta folga, se cada um começar a fazer o que quiser nas calçadas, essa cidade vai ficar mais zoneada do que já está, se é que isso é possível.

Macumbódromo já para essa gente, pelo amor de Deus, Alá, Iemanjá e cia!

A Prefeitura, Subprefeitura ou quem quer que seja o responsável pela limpeza dessa região está achando que isso vai desaparecer dali por milagre?

Essa nem Mãe Dinah adivinha...

Pé de pato, mangalô, 3 "veiz"!

Protocolo aberto no SAC da Prefeitura solicitando o recolhimento em 31/07.

N° do Procolo: 7800955

Eleições :: Soninha vai ao debate da Band de bicicleta


Nesta quinta-feira, 31/07, acontecerá o primeiro debate das eleições municipais da Rede Bandeirantes de Televisão.

A candidata à Prefeitura de São Paulo, Soninha, vai de bicicleta até a Band e será acompanhada de outros ciclistas que apóiam a sua candidatura e a bicicleta como meio de transporte.

O ponto de encontro para a saída rumo à Band é a Praça do Ciclista, na Av. Paulista, esquina com a Consolação, onde já acontece a tradicional bicicletada paulistana.

Para conhecer o trajeto que será percorrido, é só clicar aqui pra visualizar.

A concentração se dará a partir das 18h30, com saída prevista às 20h e chegada na Band às 21h30.

Lá na Band eles dividem a militância dos partidos em diferentes ruas com telão transmitindo o debate ao vivo.


Na Rua Carlos Cirillo Junior, ficarão os que apóiam a Soninha.

Qualquer dúvida, é só enviar e-mail para: soninha23@pps-sampa.org.br

terça-feira, 29 de julho de 2008

Bicicleta na subida :: Na Noruega é moleza!



Cidades montanhosas têm normalmente uma baixa percentagem de ciclismo. Como é que Trondheim, a terceira maior cidade da Noruega, tem a maior quota de ciclismo comparada à todas as outras cidades norueguêsas? Existem algumas razões:


Trondheim é uma cidade universitária, com 30.000 alunos, dos quais 90% utilizam as suas bicicletas como seu principal meio de transporte.

Durante os últimos 20 anos, foram investidos mais de 20 milhões de NOK na rede de ciclovias e infra-estrutura de transportes por bicicletas em Trondheim

Um dos elementos mais importantes da infra-estrutura é o elevador de bicicletas. Desde a sua abertura em 1993, já empurrou mais de 220.000 ciclistas pelo íngreme morro de BBrubakken, na região histórica do centro da cidade.

Não há dúvida nenhuma que o elevador tenha inspirado estudantes, assim como outras pessoas que vivem em Trondheim para tomar a cidade com suas bicicletas. Em uma pesquisa com usuários, 41% afirmaram que por causa do elevador, estão usando a bicicleta com mais freqüência.

Esta aí um bom exemplo de que quando se tem vontade política e pessoas comprometidas com a população, nada é impossível.

Que sirva de exemplo para nossos governantes.

Para saber mais sobre o elevador, basta acessar o SITE.

Bicicleta é coisa de pobre! :: Só se for no Brasil

Um assunto que eu acho interessante e até engraçado de comentar é a questão do preconceito social que existe contra quem usa a bicicleta como meio de transporte.

Quem usa a bicicleta como meio de transporte não têm dinheiro, e por consequência status. É fácil de entender o porquê desse preconceito. Vivemos na sociedade do automóvel, e além da estrutura viária ser totalmente voltada para os automotores, em detrimento dos pedestres, ciclistas, cadeirantes e demais, somos desde cedo bombardeado com a imagem de que carro = status social.

Eu sou da geração "Não esqueça a minha Caloi" e hoje, olhando para trás, e olhando com uma visão de marketing, faço a triste constatação que a própria Caloi esqueceu a sua Caloi.

Recentemente a marca lançou uma ação chamada Carbon Free, porém os movimentos de comunicação e marketing da Caloi estão muito aquém do que deveriam, principalmente em uma empresa centenária e num momento em que todas as atenções se voltam para as questões ambientais e de sustentabilidade.

Mas voltando ao assunto preconceito, é incrível constatar que esse é um pensamento totalmente equivocado, esses dias parei em uma loja para ver uma bicicleta de speed e ao olhar a etiqueta de preço quase caí para trás: R$ 23.000,00

Bicicleta não é uma coisa de pobre, é uma coisa democrática, pois todos podem ter uma e usufruir de seus benefícios, basta querer.

Para provar a teoria, está lançada a série: "Famosos de Bike".
Sempre que houver um flagra dos ricos e famosos pedalando vou postar aqui, quem sabe assim as pessoas possam parar com esse besteirol de que bicicleta é coisa de pobre!

Raí vai de bike :: e encontra dificuldades como todos nós


"Não existe lugar para a bicicleta em São Paulo", diz o ex-jogador de futebol Raí, usuário do veículo.

Cada vez mais paulistanos trocam o carro pela bicicleta. Que o diga o ex-jogador de futebol Raí, que dirige a ONG Gol de Letra e todos os dias pedala de Perdizes, onde vive, até seu escritório, na Vila Madalena. "É um outro jeito de ver a cidade, em um ritmo muito diferente. Hoje, só uso carro em caso de emergência." Ele conta que trouxe o hábito da Inglaterra, onde morou por um ano. E aqui se surpreende com a falta de prioridade para a bicicleta. "Em qualquer lugar do mundo haveria essa preocupação. Aqui, ainda engatinhamos no estímulo à bicicleta", diz, citando a reforma das calçadas da Paulista, que não incluiu ciclovia. "Não existe lugar para a bicicleta em São Paulo. Na rua, os ônibus e carros buzinam, a calçada é para o pedestre; assim, realmente é difícil."

Fonte: Estadão

Grand Space Pinheiros :: Repercussão do Protesto


Condomínio Grand Space Pinheiros, grande espaço!


Conforme já foi relatado no post sobre a bicicletada de julho, durante a mesma houve um protesto da massa crítica em frente ao condomínio Grand Space Pinheiros, contra a proibição de se guardar bicicletas na garagem do edíficio, conforme foi relatado pelo médico pneumologista André Nathan, que é morador do local.

Segundo o seu relato, "Parece que uma das bikes riscou um carro. E o prédio resolveu andar na contramão da tendência internacional, privilegiando o carro em detrimento do transporte alternativo". Quando foi reclamar, a síndica respondeu que "garagem não foi feita para bicicleta".

Indignado com tamanho absurdo, ele divulgou o fato em carta aberta à mídia e o assunto foi parar na lista da Bicicletada na internet. Após, entrar com contato com o morador e perguntar o que ele achava de um protesto público em frente ao seu prédio contra tal arbitrariedade, ele disse não haver problemas e lá se foi a massa para a rua Cristiano Vianna, em Pinheiros.


Massa Crítica: "Libera a Bicicleta!"

Hoje, ao acessar os e-mails da lista, um dos membros, o Felipe Aragonez, reproduziu o e-mail que o morador lhe enviou sobre a repercussão que a manifestação gerou em seu prédio, segundo ele, já conseguiu marcar uma audiência com a síndica e os moradores estão a favor das bicicletas.

"...que animal a bicicletada, hein? fora que a repercussão aqui no prédio foi animal, consegui até uma audiência com a síndica .. hahaha muito bom. Vou começar a aparecer nas sextas-feiras lá na Paulista..."

"Nossa, a síndica desceu e tava bem p. da vida, mas até que rolou.. ela achou que o "movimento popular" (hahahaha) foi exagerado, que as pessoas não tinham a ver com o prédio... mas eles têm a ver com a cidade, eu falei! E agora vao contratar um engenheiro pra rever a garagem... espero que role. Vambora!"


Fico feliz que a manisfestação tenha surtido efeito, é assim que mudamos as coisas e nos opomos as arbitrariedades e violações de nossos direitos, humanos e constitucionais, pois ao contrário do que a síndica do prédio afirmou, esse assunto envolve sim, à todos nós, mesmo que não sejamos moradores do prédio.

Outra coisa pelo visto ela não faz a mínima idéia, é que essa proibição é uma violação a Lei 14.266 e que o morador pode, caso ela não revise essa decisão, entrar com uma ação judicial contra o condomínio, amparado por tal Lei e artigos a seguir reproduzidos:

LEI Nº 14.266, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2007

(Projeto de Lei nº 599/05, do Vereador Chico Macena - PT)

Dispõe sobre a criação do Sistema Cicloviário no Município de São Paulo e dá outras providências.

Art. 8º Os terminais e estações de transferência do SITP, os edifícios públicos, as indústrias, escolas, centros de compras, condomínios, parques e outros locais de grande afluxo de pessoas deverão possuir locais para estacionamento de bicicletas, bicicletários e paraciclos como parte da infra-estrutura de apoio a esse modal de transporte.

§ 1º O bicicletário é o local destinado para estacionamento de longa duração de bicicletas e poderá ser público ou privado.

§ 2º O paraciclo é o local destinado ao estacionamento de bicicletas de curta e média duração em espaço público, equipado com dispositivos para acomodá-las.


Agora a pergunta que fica, e não quer calar é: O "Grand Space" Pinheiros não tem espaço para bicicletas?

Grande Espaço!






domingo, 27 de julho de 2008

Bicicletada de Julho :: Impressões


Concentração na Praça do Ciclista

Depois de uma semana de muita expectativa, finalmente chegara o dia da tão esperada bicicletada de julho. Me encontrei com uma turma na Av. Domingos de Morais, incluindo a bicicleta sonora do André, que ficou o máximo e ia chamando a atenção dos curiosos pelo caminho. Fizemos duas escalas no trajeto pois o pessoal ia integrar o bonde para a bicicletada de Curitiba e logo estávamos encostando na Praça do Ciclista ao som de Invasão das Bicicletas, do Plá.

Reencontrei algumas pessoas que tinha conhecido pessoalmente no rolê de divulgação na praça dos malabares e outros rostos da lista da bicicletada tomaram forma. A Soninha, candidata à Prefeitura de São Paulo também estava presente e apesar do momento de descrença total nos políticos, inclusive de minha parte, achei bem legal vê-la lá, de bicicleta como todos nós e super acessível a quem quisesse conversar com ela.



Aos poucos a massa crítica foi tomando forma e tamanho e quando percebi estávamos rumo ao Condomínio Grand Space Pinheiros. A massa fez um protesto super bem humorado na frente do prédio porém uma coisa que me fez pensar bastante no crescimento da massa crítica e da bicicletada foi o fato de eu ter que explicar para N pessoas a minha volta o que estava acontecendo ali, e por que, sem saber de nada elas engrossavam o coro "libera a bicicleta!".


Massa rumo ao Grand Space Pinheiros

É claro que essas pessoas não estão na lista da bicicletada na internet, então eu fiquei pensando com os meus botões até que ponto o tal "poder horizontal" funciona? É uma questão complicada e merece um post de reflexão só sobre esse assunto, mas na minha modesta opinião pessoal, não tem nada mais surreal do que participar de um ato de protesto sem saber o por quê e o que está fazendo ali, isso me lembrou um pouco os "caras pintadas".


Libera a Bicicleta!


De lá subimos pela Teodoro Sampaio e passamos por toda Paulista, rumo Vergueiro e centro da cidade. Eram quase 22:00 e a Paulista no sentido contrário estava praticamente parada, não pela bicicletada, mas pelo trânsito mesmo. O mais interessante é ir pedalando e observando os rostos das pessoas dentro dos carros, tem de tudo, o estressado, o bem humorado, o indiferente, entre tantas outras expressões que ficaria aqui um ano relacionando.

Essa é uma das coisas que mais me atraíram na bicicletada, visão que você pode ter da cidade e principalmente das pessoas enquanto você está pedalando é totalmente diferente, é uma experiência muito legal, principalmente também entre os participantes. Me peguei conversando com os mais diferentes tipos de pessoas sobre os mais inusitados assuntos, é um lance realmente fantástico, todo mundo deveria experimentar isso pelo menos uma vez, é uma viagem incrível de pensamentos, opiniões, visões, um mundo de possibilidades e um alento ao coração e à mente frente a tudo o que vemos acontecer diante dos nossos olhos, e que em momentos de fraqueza nos fazem acreditar que somos impotentes e que não temos como mudar tudo isso. Integrando a massa crítica sentimos de verdade que podemos fazer, e estamos fazendo a diferença e que tudo pode ser melhor para todos, e o melhor de tudo, num clima de paz, respeito e humanidade incrível.

É claro que em uma sexta-feira, depois de uma semana inteira de trabalho e com o trânsito caótico da cidade, econtramos muita gente estressada pelo caminho. Mas o que mais me chamou a atenção nesse sentido, foi que o maior stress que eu vi dessa vez aconteceu justamente com um motoqueiro que se meteu no meio da massa tirando fina de todo mundo e colocando as pessoas em risco. É óbvio que ele foi fechado e tomou um belo de um esporro do pessoal, até parei para ver a cena, e só ouvi ele falando "pô eu tô trabalhando!".

Achei aquilo hilário, pois na hora de que eles resolvem fuder a vida de todo mundo para protestar, inclusive do transporte público, que não é o caso da bicicletada que libera a passagem para os ônibus, eles não lembram que a cidade inteira também está trabalhando.

Muito se fala sobre transporte esses dias, principalmente pela proximidade das eleições e acho que motos deveriam ter um capítulo à parte, mas isso fica também para um post específico.

Enfim, passamos pelo centro, Praça da Sé, Pátio do Colégio, Praça da Repúlica e subimos a Rua Agusta retornando para a Praça do Ciclista. Nesse trajeto, foi deprimente ver o tanto de gente dormindo pelas ruas, pelas escadarias, monumentos. Pessoas usando drogas no meio da rua.


Massa Crítica na Catedral da Sé


Uma cena lamentável. A parte engraçada foi a subida da Augusta onde brincando com os gritos de ordem com o Terrorista Latino, começa a sair um refrãozinho: "menos puta! mais bicicleta" que não emplacou, mesmo eu tentando ajudar aperfeiçoando a rima para "menos putaria! mais ciclovia!", ainda bem, senão acho que iríamos apanhar ali de cafetões, leões-de-chácara e das próprias primas!


El Terrorista Latino "menos puta, mais bicicleta!"

Ainda passamos por dois clubs emo e foi muito engraçado, não eles não choraram por não terem sido convidados antes que alguém me pergunte.

Trajeto completado, rolou um sonoro parabéns à você pelo aniversário da bicicletada, com direito a bolo e tudo mais (é o que dizem porque eu só vi foi o farelo!) e depois de jogar mais um pouco de conversa fora peguei o caminho da roça.

Na volta ainda vim um belo pedaço conversando com um guerreiro que ia muuuuito mais para a frente que eu, lá pros lados da Anchieta com o banco da bike quebrado, ele fez uma gambiarra lá e até onde nos separamos estava funcionando, espero que tenha dado certo até o seu destino!

Cheguei em casa e vi que tinha andado 40 km! Isso me instigou mais ainda a idéia de cair na estrada de bicicleta um dia desses. Talvez a ida para Sorocaba, como estão combinando na lista da bicicletada me dê uma boa noção do que é fazer isso de verdade, vamos ver!

Contando os dias para a bicicletada de Agosto!

Quem quiser conferir a galeria completa de fotos que tirei nesse dia é só clicar AQUI





























sábado, 26 de julho de 2008

Conheça Rio Pardo :: de Bike!


Há dois anos atrás, em julho de 2006, um grupo de amigos com um gosto comum, o de amarem o ciclismo, se reuniram pra organizar passeios pela cidade, visando harmonizarem suas rotinas de vida com passeios de bicicleta em percursos nas redondezas da cidade.

A base do grupo "Rio Pardo Ciclismo", é formada por Sandra Eisehardt, professora de educação física, Américo Dàvila, acadêmico em educação física e Luciano Flesch, professor de informática. Também é formado por simpatizantes que esporadicamente pedalam e se juntam ao grupo em roteiros decididos pela maioria, onde perfazem trajetos de em média 20 Km. O passeio, que é muito prazeroso, acontece todos os sábados (quando o tempo permite ), com saída sempre às 14:00h do Posto Nevoeiro (Esso).

"Em nossas incursões podemos notar como é rica nossa natureza e como há trajetos esquecidos, de belas paisagens", disse Luciano Flesch, citando como exemplos a estrada velha para Rincão Del Rey/Santa Cruz do Sul, as trilhas do balneário Santa Vitória, ou o costear da praia dos Ingazeiros até a praia do Areal. "Apesar de visíveis pontos de deterioração, sobretudo nas margens do Rio Pardo, o contato com a natureza, a paz e a prática do exercício físico saudável que só o ciclismo proporciona, compensa", disse Flesch.

Fica aqui o convite para quem deseja participar, lembrando que no dia 31 de agosto, no domingo da Festa da Apae, vai acontecer um grande passeio, com saída em frente à Apae (rua General Auto), às 10h. As inscrições podem serem feitas na Apae, com a professora Sandra, custando apenas a doação de um produto de limpeza.

Fonte: Jornal de Rio Pardo

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Cicloturismo :: Estudante de 17 anos pedala rumo ao Pacífico

Em busca do sonho de conhecer os oceanos Atlântico e Pacífico, estudante de 17 anos pedala em média 150 quilômetros ao dia. Antônio Veras Rodrigues, de 17 anos, chegou ontem em Cuiabá, vindo de Rio Branco, capital do Acre, pedalando uma bicicleta, e planeja seguir viagem amanhã rumo ao litoral Sul.

Enfrentando fome, frio, calor e assaltantes, Rodrigues já pedalou 2.100 quilômetros e emagreceu 10 quilos. Segundo ele, no estado de Rondônia, entre as cidades de Jaciparaná e Itapuã, foi assaltado duas vezes.

No primeiro assalto perdeu equipamentos eletrônicos, já no outro teve a ajuda de populares para afugentar os ladrões antes que levassem outros pertences. E ainda recebeu comida e abrigo na casa de uma família.

No final do ano passado, ao concluir o ensino médio, ao invés de fazer vestibular para a faculdade como é habitual entre os jovens, Rodrigues começou a se organizar para a aventura de conhecer o mar brasileiro e depois pedalar até Lima, no Peru, para ver o Pacífico.

Ele saiu do Acre no dia 14 de maio, acompanhado dos estudantes Anderson Oliveira, de 19 anos, Andréia Marques, de 18, dos quais acabou se afastando por causa de problemas nas bicicletas dos amigos, planejando reencontrá-los em algum ponto dessa trajetória.

Rodrigues, que mora com um tio em Rio Branco, diz que somente retornará a sua cidade natal em outubro de 2009. Até lá quer conhecer as belezas de sua pátria, incluindo uma estadia de um mês em Salvador e pelo menos uma semana no Piauí.

Chapada dos Guimarães, em Mato Grosso, aparece em seu mapa em primeiro plano. Para quem já fez 2.100 quilômetros, subir 65km de bicicleta até Chapada nesta sexta-feira parece uma brincadeira de criança num parque aquático.

De acordo com o estudante, muitas pessoas que conheceu na viagem lhe recomendaram banhos nas cachoeiras chapadenses como forma de renovar as energias para seguir viagem.

Em Cuiabá, onde está hospedado no quartel do 1º Batalhão da Polícia Militar, no bairro do Porto, o estudante espera obter, além de abrigo seguro, patrocínio para assegurar seu sustento e consertos na bicicleta por bom período.

O estudante diz que não quer mais se desfazer de objetos importantes, como o celular que teve de vender para comprar alimentos. Em 2012, quando tiver concluído essa aventura, acumulando muitos conhecimentos, como analisa essa etapa de sua vida, Rodrigues vai fazer vestibular para a faculdade de Direito.

Fonte::Diário de Cuiabá

Precedente Importante: Justiça obriga Prefeitura a indenizar ciclista

A Justiça de Santa Catarina condenou a Prefeitura de Jaraguá do Sul (SC) a indenizar um ciclista que caiu em um buraco na rua e quebrou a bicicleta, os óculos e a prótese dentária.

A prefeitura foi condenada a pagar R$ 6.500 por danos morais ao ciclista Arno Schwirkowski.

O autor da ação caiu em um buraco quando transitava de bicicleta por uma rua da cidade. Socorrido pelo Corpo de Bombeiros e atendido na emergência do hospital local, o ciclista requereu, além de reparação moral, o ressarcimento dos gastos no conserto da bicicleta e na compra de remédios, em um novo par de lentes para os óculos e na prótese dentária.

A prefeitura de Jaraguá do Sul argumentou que não houve deformação física externa que justificasse o dano moral. Alegou, ainda, que as despesas relatadas pelo ciclista não foram comprovadas.

Porém, o relator do processo, desembargador Luiz Cézar Medeiros, esclareceu que foram anexados ao processo documentos que confirmam todos os valores apresentados pelo ciclista.

Segundo o magistrado, as fotos do local comprovam a má conservação da rua, com a existência de um buraco pouco visível, principalmente de noite, quando ocorreu o acidente.
"Sofrer lesões em decorrência de um buraco existente na via pública, tendo que ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado a um hospital caracteriza prejuízo extrapatrimonial passível de ressarcimento", disse Medeiros.

Fonte: Folha Online

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Grand Space Pinheiros :: O condomínio do preconceito


Estava aqui me preparando para dormir quando em minhas derradeiras clicadas do dia, da noite ou da madrugada (sei lá!), acabei caindo no Blog do Sakamoto

Fiquei perplexo ler um post em que ele fala sobre mobilidade urbana e coloca a carta que recebeu de um pneumologista relatando o ato de puro preconceito e imbecilidade que foi adotado em seu condomínio contra os que têm e usam suas bicicletas.

Confiram a seguir a carta:

Enquanto o planeta todo busca soluções sustentáveis para os crescentes problemas de congestionamento das metrópoles, a elite paulistana parece andar na direção contrária. Moro em um prédio de classe média alta em Pinheiros onde assisti, recentemente, ao triste episodio de boicote às bicicletas no condomínio e à proibição de colocá-las no estacionamento do prédio. Sem nenhuma justificativa cabível, os moradores decidiram proibir totalmente qualquer pessoa de guardar bicicletas no estacionamento do edifício “Grand Space Pinheiros” que, segundo esse raciocínio retrógrado, deve abrigar somente o meio de transporte que consideram mais nobre, o carro. Sou pneumologista do Hospital das Clínicas, costumava ir ao trabalho pedalando e sem poluir o meio ambiente. Portanto fico perplexo com esse tipo de imposição que nos obriga a aumentar o trânsito e a poluição na cidade. Iniciativas como essa separam o Brasil do Primeiro Mundo. E não as diferenças entre as marcas e preços dos veículos que circulam aqui e na Europa.

André Nathan
Médico pneumologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Post na integra, AQUI

Mais um ótimo lugar para pintar umas bicicletinhas...alguém sabe onde fica?

Até perdi o sono...

Em SC :: Biguaçu promove dia especial com Cliclovia de Domingo


Chegou a vez de Biguaçu receber a Ciclovia de Domingo. Desde 2004 a Grande Florianópolis não contava com esse evento, que tem por objetivo promover a bicicleta como meio de transporte, saúde e lazer. As edições de 2003 e 2004 foram realizadas nos bairros Coqueiros, Abraão e Itaguaçu, em Florianópolis, organizadas pelo Grupo CicloBrasil/Pedala Floripa e pela ViaCiclo.

Desta vez a Prefeitura Municipal de Biguaçu entra como parceira e promoverá um evento muito atrativo e mais organizado. O evento, que ocorrerá a partir das 9:00 h do dia 27 de julho, no centro da cidade, contará com aferição de pressão arterial, brincadeiras e jogos orientados, apresentações artísticas, sorteio de brindes, inauguração de bicicletário e passeio ciclístico (saída do passeio às 11:30 h).

Segundo Milton Della Giustina, Presidente da ViaCiclo, "é louvável a iniciativa de Biguaçu, que busca alternativas para o trânsito local antes que ele se torne problemático como em outras cidades, Florianópolis entre elas".

A Ciclovia de Domingo é um evento internacional que consiste no fechamento de uma ou mais ruas, impedindo o tráfego de motorizados e oferecendo atividades lúdicas e de lazer para pedestres, ciclistas e cadeirantes. É inspirada em eventos realizados com grande sucesso em Bogotá/Colômbia e Santiago/Chile.

Fonte: Jornal Correio da Ilha

No Acre :: Mercados públicos ganham estacionamentos para bicicletas



Implantados no início do mês, equipamentos permitem segurança a quem usa esse tipo de transporte

Bicicletários. Assim são chamados os equipamentos apropriados para o estacionamento de bicicletas. Mercado do Bosque, Mercado da Estação e Mercado do Quinze contam agora com esse novo recurso urbano que prioriza o transporte não-poluente. Nesta sexta-feira, 4, a Superintendência de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) instalou três novos bicicletários nesses locais, cada um podendo comportar até dez bicicletas de uma vez.

Em cumprimento ao Programa de Mobilidade Urbana (Promob), a instalação desses bicicletários é parte de um trabalho em parceria com o governo federal através do Ministério das Cidades, cujo investimento até o momento supera a marca de R$ 300 mil. Segundo o engenheiro responsável Marcos Lourenço, a construção desses blicicletários é uma experiência pioneira em Rio Branco, e por isso se encontra ainda em fase de teste.

“Primeiramente, os administradores dos mercados solicitaram à superintendência a proibição do tráfego de bicicletas no seu interior. A partir disso, fizemos uma análise da realidade desses espaços e percebemos a necessidade de fazer a nova sinalização sem, no entanto, deixar desassistido quem faz uso da bicicleta como veículo para acesso diário aos mercados”, explicou Lourenço.

Segundo ele, a construção de uma estrutura bem elaborada, visando proteger as bicicletas de algum acidente durante a circulação de outros veículos que transitam naqueles locais, é resultado da preocupação com a segurança e conservação do espaço. “Agora, como todo projeto piloto, estudaremos a aceitação dos usuários que freqüentam os mercados para assim executar novas instalações” disse.

No mercado do Bosque, um dos permissionários mais antigos, Miguel da Silva, diz que para o comércio daquela região o serviço é de muita utilidade. Segundo ele, a maioria das pessoas que circulam o mercado vem de bicicleta. “Muitos fregueses pedem para eu guardar as bicicletas, mas não tenho como me responsabilizar por elas. Com certeza, essa iniciativa veio para atender as necessidades de quem vem ao mercado , além de tornar o lugar mais organizado”, disse o permissionário.
Concepção do projeto

A implantação de uma política de mobilidade articulada com uma política de desenvolvimento urbano tem como objetivo implantar obras de adequações viárias para priorização de modos de transporte não-motorizados e coletivos. Com essa concepção é que a Prefeitura de Rio Branco vem trabalhando. Outro exemplo de obra em andamento dentro dessa linha é a ilha construída na Rua Jose de Melo, no Bosque, para facilitar a circulação dos ônibus e o embarque e desembarque de passageiros no entorno do pronto-socorro.

“Temos resistência e reclamações de alguns usuários das vias quanto à concepção desses projetos, mas são a minoria, considerando que a maior parte da população caminha, circula de bicicleta ou utiliza o transporte coletivo, e são esses que estão sendo priorizados. O que é feito hoje faz parte de um projeto muito maior que a Prefeitura vem construindo”, afirma Ricardo Torres, superintendente da RBTrans.

"No caso dos bicicletários, estamos trocando duas vagas para estacionamento de veículos para que possamos acomodar dez outros veículos, no caso as bicicletas. E deixando-as na via, local correto de convivência, buscando modificar uma cultura equivocada de que bicicletas devem conviver nas calcadas com pedestres.

“Historicamente se ensina às crianças de que o local seguro para andar de bicicleta é na calçada, longe dos carros, e todos crescem habituados dessa forma. Só que a Lei proíbe tal comportamento e mudar hábitos de adultos é muito mais complexo, estamos buscando alternativas para mudar esse entendimento com os bicicletários dispostos na rua, local adequado para circulação das bicicletas”, explica Torres.

Fonte: Assessoria RbTrans

terça-feira, 22 de julho de 2008

Bicicletada 6 anos! :: Venha comemorar e pedalar

Cartaz da Bicicletada (by Polly)


A última sexta-feira do mês está chegando...

Pedalantes estão ansiosos para essa edição especial da BICICLETADA, que comemora 6 anos. A Massa Crítica paulistana mais uma vez se reúne para pedalar, e pedalando, mostra do que é feita uma cidade mais humana.

Porque as ruas são para as pessoas, porque o espaço é publico, porque essa cidade precisa nos ter mais respeito. Então, todos estão convidados para essa data especial!!! Para participar, só é preciso aparecer, munido de qualquer meio de transporte não motorizado, valendo até os seus próprios pés!!

Não tem bicicleta ou não sabe pedalar? Sem problemas. Apareça o quanto antes na praça e veja como fazer para pegar uma bicicleta emprestada, os estacionamentos ESTAPAR na Av. Paulista disponibilizam bikes da Porto Seguro, e no dia da Bicicletada mesmo quem não é segurado pode pegar uma emprestada, bastar deixar o RG.

A concentração se inicia às 18:00hs. Ás 20:00hs começa o pedal lúdico-educativo. Pedalamos em ritmo leve, ninguém fica para trás. O ritmo da Bicicletada é o ritmo das pessoas da Bicicletada. É um espaço para convivermos. Portanto, por aqui aparecem pessoas de todos os tipos e idades.

Então.... na sexta-feira, dia 25/07...

Vamos fazer a nossa bagunça pra comemorar essa data tão especial. O clima é de aniversário, haverá som, bolo, comes e bebes, etc. Por isso, pode vir à caráter, ou como desejar.

Em caso de chuva, o evento está automaticamente
CONFIRMADO, já que não somos feitos de açúcar, apesar de termos muito mel.

::. Bicicletada .::. Massa Crítica em São Paulo .::.
:. sexta-feira (25/07)
:. concentração lúdico-educativa: 18h
:. Massa Crítica para humanizar o trânsito: 20h00

Local: Praça do Ciclista (ou arredores, dependendo do estado da praça que está em obras): av. Paulista, alt. do 2440

::. dicas e referências .::.

.::. panfletos e cartazes para divulgação: http://tinyurl.com/37cjle

:. sobre a Praça do Ciclista: http://tinyurl.com/2j28sc
:. relatos e fotos de edições anteriores: http://tinyurl.com/ypsgr2
: . : . : . Site: http://www.bicicletada.org
: . : . : . lista de discussão (cadastramento): bicicletada-sp-subscribe@lists.riseup.net
: . : . : . bate-papo: canal #bicicletada no irc.indymedia.org (para quem usa IRC) ou http://chat.indymedia.org (no navegador)

: . : . : . massa crítica - wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Massa_Cr%C3%ADtica

: . : . : . comunidade no orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=33384635

Texto:: Chantal