quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Desafio Intermodal :: Bicicleta ganha pelo segundo ano consecutivo

Percurso de 12,3 km, do Brooklin ao centro de carro, levou 1h51; pessoa que foi a pé chegou em 2h13 e a bicicleta levou 36 minutos.


Mesmo com as restrições para caminhões no centro expandido de São Paulo, o carro enfrentou um grande congestionamento e terminou nas últimas colocações no terceiro desafio intermodal. Doze participantes, em diferentes meios de locomoção, saíram às 18h22 da Praça General Gentil Falcão, no Brooklin, zona sul, e se dirigiram para a Prefeitura, no centro. Pelo segundo ano seguido, as bicicletas chegaram à frente.

O ciclista Márcio Campos, de 41 anos, fez o percurso de 12,3 km em 36 minutos, por vias tranqüilas. "Mesmo fora dos grandes eixos, peguei congestionamentos, mas fui cortando pelo Parque do Ibirapuera e por outras ruas mais calmas", diz Campos, que foi um minuto mais rápido que o vencedor do ano passado - um ciclista que utilizou vias movimentadas.

Depois dele, chegaram outros quatro ciclistas. Juntos, com um tempo de 42 minutos, apareceram os representantes masculino e feminino que pedalaram por vias mais agitadas. Segundo eles, a principal causa do atraso em relação ao primeiro colocado foi o congestionamento. "Tem muito carro nas vias e aí não sobra nem os cantos para as bicicletas", diz a estudante Juliana Mateus, de 25 anos. Na seqüência, chegaram a ciclista feminina que passou por vias tranqüilas e outro ciclista que utilizou uma bicicleta dobrável para interligar com ônibus, levando 49 e 59 minutos, respectivamente.
A vereadora Soninha foi a primeira representante de veículo motorizado (moto) a chegar. Com 1h04 de percurso, ela reclamou que ficou a maior parte do tempo parada na Avenida Luís Carlos Berrini, antes de chegar à Juscelino Kubitschek.

A farmacêutica Ana Paula Neumann, que foi de carro para o centro, e o psicólogo Matias Mickenhagen, que utilizou ônibus, chegaram juntos, com 1h51. "Eu só peguei a Avenida 23 de Maio livre e acho que foi porque já estava fora do horário de pico. O resto estava tudo parado", diz Ana Paula. Já a principal reclamação de Mickenhagen foi ficar a maior parte do trajeto de pé, uma vez que o ônibus estava lotado.

Os últimos a chegar foram uma pessoa que fez o percurso a pé - 2h13 - e o que integrou metrô com bicicleta. "Isso é para as pessoas verem que existem alternativas para o automóvel", diz André Pasqualini, do movimento Bicicletada, um dos organizadores do desafio.

Fonte::Estado

2 comentários:

Aninha disse...

Eheeeeeeeeeee! Pois é eu estava lá e muito orgulhosamente digo e repito...fui a antepenúltima com muuuuito orgulho!!!!
Tá com pressa? Vá de Bike!

bjs

Terrorista Latino disse...

O interessante é a manchete do Jornalao...
"CARRO E ONIBUS EMPATAM", ao inves de "Bicicleta vence o desafio intermodal pelo segundo ano consecutivo"...
Uma manchete pró-bike entraria em contraposicao aos interesses das industrias automobilisticas financiadoras das grandes midias.
Fica a mensagem de que a bicicleta é somente uma alternativa "extremista", "em último caso" para o transito de Sao Paulo.